A virtude da ALEGRIA

A nova turma do grupo ATITUDE teve início com muita alegria e novos projetos. O grupo se enriquecera com a presença de mais jovens trazidos pelos antigos. A acolhida deixou-os à vontade, lhes proporcionando um ambiente de amizade, fazendo com que se soltassem através dos diálogos sobre as virtudes pesquisadas no ano anterior e discutidas por eles. Agora chegara o novo tempo de buscar outras virtudes que por certo iriam enriquecê-los e prepará-los cada vez mais para a vida.

Tiago, como um dos mais antigos, levantou-se e apresentou (aos que ainda não a conheciam) a catequista Isabel. _Colegas! Esta é Isabel, a nossa catequista, orientadora e amiga. Já vou avisando, ela tem uma forte sensibilidade e, por incrível que pareça, conhece a cada um de nós só de olhar, acreditem se quiser.

_É verdade! disse Mila. Sua sensibilidade, compreensão, ternura e simpatia é algo que nos comove e nos deixa felizes.

_Gente, obrigada! Estou até emocionada! Disse Isabel, mas vamos ao mais importante. Agradeço a presença dos novos jovens e espero que nos tornemos, no decorrer dos encontros, grandes amigos e pesquisadores das virtudes que, de certa forma, vão formar o caráter, a vida social e espiritual de cada um (uma) de vocês.

_Quem se lembra do nosso último encontro? Foi de Boas férias a todos. Agora, recarregados e com muita energia vamos pensar no que foi sugerido. Ficou certo de cada um (uma), entre um passeio, um mergulho no mar ou na piscina, pensar na virtude que iniciaríamos a nova etapa deste ano, e que  de certa forma combinaria perfeitamente com as férias. Alguém lembra?

_ Eu lembro, disse Mila. Não foi a virtude da ALEGRIA?  _ É isso mesmo disse Isabel, mas eu acho que ninguém pesquisou, só viveu a alegria, estou certa? Todos em coro repetiram: _Certíssima. Então vamos aprender um pouco sobre essa virtude.

A ALEGRIA exprime o real propósito da fé de todos os cristãos, pois esse sempre foi o desejo de Jesus, continuou Isabel: “Que minha alegria esteja em vocês, e a alegria de vocês seja completa” (Jo 15, 11). No tempo dos primeiros cristãos, nas comunidades do apóstolo Paulo, mesmo sofrendo perseguições os cristãos estavam sempre alegres, refletindo o que ele ensinava em suas cartas: “Estejam sempre alegres, rezem sem cessar, dêem graças em todas as circunstâncias, por que esta é a vontade de Deus a respeito de vocês em Jesus Cristo.” (1Ts 5, 16-18). “Quanto ao resto, meus irmãos, fiquem alegres no Senhor” (Filp 3, 1).

Que legal! Exclamou o Julio (colega do Tiago trazido ao grupo por ele), nunca havia pensado nisso. Mas, se toda a virtude vem de Deus podemos nos perguntar? – Deus é alegre?

_Naturalmente que sim, afirmou Artur. Um dia, lendo o livro de Neemias, encontrei algo muito lindo sobre a virtude da ALEGRIA em Deus: “Não vos entristeçais, pois a alegria do Senhor é a vossa força” (Ne 8,10).

Por isso, continuou Isabel, a alegria está intimamente ligada a Jesus Cristo. Lembram-se das suas parábolas que relatam a alegria da salvação? Por isso, fiquem certos de que o Deus que conhecemos é o Deus da alegria.

_ Do jeito que você fala, afirmou Tiago, aproximar-se de Jesus é o mesmo que viver a alegria de Deus; e viver a virtude da alegria é anunciar a Boa-Nova de Jesus.

_Isso mesmo, afirmou Isabel. Não esqueçam que Jesus sempre pregou a alegria através do amor aos outros, até transformou-o em mandamento. Ele sabia que não existia maior alegria que viver no amor. Por isso ensinava: “Este é meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo 15,12). E aí turma, tudo certo? _Tudo certo! responderam em coro.