A extensa pesquisa levada a efeito pela autora, foi o principal fator da demora entre o primeiro e o segundo volume. A necessidade de transitar por obras de pouca circulação, algumas sequer traduzidas ainda para o nosso idioma, fez desta pesquisa um esforço que só justifica pelo prazer de levar ao leitor algo que sua curiosidade reclama, a saber: conhecer histórias que se deram no contexto dos primeiros cristãos, tornaram-se conhecidas de muitos e, posteriormente, ficaram ocultas por força de uma imposição da própria igreja, que via nelas mais fantasia do que realidade.

            De fato, não podemos nos eximir de uma aferição racional destas histórias e concluir que algumas delas extrapolaram o senso comum, transcendendo para uma realidade que apenas o amor à figura de Maria pode legitimar. No entanto, muitas delas nos parecem fatos corriqueiros, que qualquer um de nós estamos sujeitos de vivenciar, e o valor de cada uma é algo que o próprio leitor deve decidir.

No entanto, se a verdade de alguns desses fatos restringe-se ao ambiente hipotético, uma certeza pelo menos temos: elas fazem jus ao amor, carinho, afeição e respeito que aqueles que as escreveram tinha pela pessoa de Maria. Talvez quisessem mesmo imprimir a ela um papel especial dentro da história do cristianismo, algo que se não conseguiram na época, pelo menos permitiu aos seus sucessores idealizar e realizar.

A autora nos surpreende com uma obra que ao mesmo tempo é informativa e didática. Por isso, tem a preocupação de fundamentar o leitor com informações bastante precisas em relação a alguns aspectos como, por exemplo, todo o ritual envolvendo o funeral (quando fala sobre a morte de José), as características das moradias do povo judeu (quando fala detalhadamente sobre a casa de Maria) etc.

Portanto, o leitor não tem apenas uma obra que resgata a história de uma personagem, mas que também traz informações preciosas acerca de características e pormenores que muitas vezes lemos na literatura oficial (a Bíblia) e não compreendemos adequadamente. Um exemplo: quando a mulher que tinha o fluxo de sangue toca nas vestes de Jesus, há toda uma necessidade do leitor conhecer a importância que recaía sobre esse ato, e isto é feito por meio de uma explanação bastante aprofundada em relação à vestimenta do povo e a santidade a ela conferida.

Agradeço a oportunidade de ter em mãos um exemplar desta obra e de ter podido conhecer outras Histórias de Maria que a Bíblia não conta, e acredito que o leitor não se furtará ao prazer de lê-la, pois por certo encontrará nela algo que despertará nele um maior amor a esta figura tal especial, Maria.