O Poder da Graça

        A graça de Deus em nossa vida é imprescindível, pois sem ela não teríamos a Sua presença e a salvação conosco. Essa importância foi vista pelo povo do antigo testamento e por São Paulo quando ele explica aos cristãos de Éfeso que por mais que pensamos ser a graça divina um “pagamento” pelo que fizemos ou fazemos nesta terra, é engano, pois ela vem pela fé e pelo amor de Deus por nós. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie” Ef 2,8s.

        De fato, a palavra grega "charis" (graça) aparece por 250 vezes no Antigo Testamento como  “Hesed”, significando o amor leal firme e fiel de Deus para conosco e de nós para com Ele. Muitos textos falam de HESED, vejamos alguns deles:

ð   Salmo 22 (23) diz que o Senhor é o nosso pastor e por isso nada nos falta. Ele jamais nos abandona ou nos deixa sozinhos, Deus nos guarda e nos protege com a sua graça, mesmo quando caminhamos pelo “vale da sombra da morte” ou por momentos difíceis que nos parecem sem saída.

ð   Gn 12 apresenta um Deus que confia e protege. Na vocação de Abraão é descrita a grande bênção que vem pela graça de Deus.

ð   Isaias 43 quando o Senhor, pela sua graça, nos diz para não termos medo, que conhece a cada um de nós pelo nome, e que em todas as dificuldades estará conosco porque nos ama.

Ciente desta certeza o apóstolo Paulo  disse aos cristãos de Corinto: alegrem-se e digam como eu: "Pela graça de Deus sou o que sou". 1 Cor 15,10

No Novo Testamento a palavra "charis" (graça) aparece mais de 150 vezes e com os mais diversos sinônimos:  misericórdia, fidelidade, bondade, amor, promessa, esperança, confiança, bênção etc.

Não há dúvida de que, como cristãos, a cada graça que recebemos podemos pensar  na Trindade como a origem. O Pai é a fonte de toda graça. Foi ELE que propôs o plano da salvação ou o plano da graça. Deus com sua bondade e misericórdia permitiu que seus filhos crescessem e se multiplicassem com a sua graça, ligados a ELE. Não tão feliz com o caminhar da humanidade que buscou a graça noutros lugares, na plenitude dos tempos enviou seu único Filho ao mundo para servir como mediador da graça.

Vimos então que Jesus Cristo, o filho unigênito do Pai, é o canal de graça; o único meio pelo qual a graça de Deus agora pode atingir a humanidade. Sua missão na terra voltou-se totalmente a obediência ao Pai, refazendo o Plano inicial, trazendo  a  graça e a justiça como tinha sido desde o Antigo Testamento: O salmista profeticamente diz (85,10s) que todos escutem estas palavras pois é a fala de Deus: todos precisam e terão a paz. A salvação está próxima daqueles que amam a Deus, a glória habitará a nossa terra, a misericórdia e a verdade se encontrarão, a justiça e a paz se abraçarão.

E o Espírito Santo? Ele é o administrador da graça, deixado por Jesus para nos guiar, comandar e nos defender do mal. Sem a Sua presença nos trazendo os dons para a conversão e a fé, nenhum de nós seríamos beneficiados pela graça. É Ele quem nos desperta e nos conduz a Cristo, como ovelhas que somos em busca do Bom Pastor que deu a Sua vida por nós (João 10,11). O Espírito Santo revela a graça do Pai e põe em prática a graça do Filho. Vimos isso perfeitamente no dia de Pentecostes.

É, portanto, meus queridos catequistas, fundamental perceber que a graça é o dom de Deus contido em todos os outros dons que vem da Hesed ou da charis, daí resultando o termo Carisma/ carismático (cheio da graça do Espírito Santo).

Finalizando a nossa reflexão sobre a graça de Deus, como catequistas tenhamos a certeza de que em nossa vida a graça deve estar presente como promessa, esperança, fidelidade e firmeza na fé; também na confiança em Deus, ou de Deus para conosco; pois o ato que traduz o efeito produzido pela graça no homem e na mulher é  a bênção.

Que a graça de Deus permaneça em nós!