Reavaliando a caminhada

Início de ano.  Isabel, depois de um ano de encontros, experiências, estudo e partilha com o grupo de jovens ATITUDE, era testemunha de que aquela turma tinha realizado um bom trabalho. Formado logo após a primeira Eucaristia deles, perseveraram nos encontros, participaram das reuniões com entusiasmo, mas naquele momento estavam curtindo suas merecidas férias. Contudo, na última reunião que tiveram, além da confraternização com comes e bebes trazido por eles, refletiram, com muito empenho e entusiasmo, a virtude sugerida na semana anterior, a EMPATIA.

A celebração de encerramento contou também com a presença do Pe. João, que com todo carinho veio participar com os jovens, agradecer o ano maravilhoso e proveitoso que tiveram e, pedir para não esquecerem que no início de Março queria todos de volta com a promessa de cada um trazer um colega para reforçar o grupo.

Isabel teve o cuidado de, antes das despedidas, novamente relembrar a cada um das suas responsabilidades para com Deus e com eles mesmos; que em Janeiro a Revista Rainha colocaria tudo o que eles haviam refletido antes das férias, e entre tais reflexões a EMPATIA, que foi discutida com muito entusiasmado pelo grupo. Em suas reflexões, diz Isabel, ficou claro o significado do termo, a partir de suas raízes: Empatia vem do grego empátheia, gesto de recebimento, de amor incondicional. Portanto, ela mais uma vez lhes lembra de, mesmo em férias, lerem e  recordarem os benefícios desta virtude  em suas vidas.

Isabel relembra também que a virtude da EMPATIA é o mesmo que amar verdadeiramente o seu próximo, o amor ágape que tanto eles conheciam; é sentir o que o outro está sentindo e mais ainda, é possuir afinidade, identificando-se com a outra pessoa. É também saber ouvir os outros, compreender os seus problemas e emoções, procurando ajudar. Portanto, esta virtude era tudo de bom e por certo seria de grande valia naquelas férias.

Isabel percebeu o quanto a discussão e a partilha tinham ajudado aqueles jovens cristãos, comprometidos com seu batismo, a estarem mais maduros e entenderem que encontrar-se semanalmente para refletirem uma virtude tinha mudado e amadurecido seu jeito de se conduzirem na vida escolar, familiar e social.

Nesta última reunião, enquanto saboreavam os deliciosos lanches, puderam pensar um pouco no passado recente que fora o início do grupo ATITUDE, agradecendo a Deus, ao Pe. João e a catequista Isabel, que com paciência e espírito cristão conseguiram colocar na mente e no coração deles que o único caminho do bem é Jesus.

Ainda com espírito de festa, entre um pedaço de torta, um brigadeiro e um cachorro quente, o grupo refletiu a virtude pedida na semana e alguns até fizeram questão de deixar a sua impressão e opinião a respeito:

_Para mim, disse Tiago, a EMPATIA se forma em primeiro lugar quando sabemos ouvir o colega, o irmão, pois com a correria dos tempos modernos como vamos nos colocar no lugar do outro se nem temos tempo para ouvi-lo?

_ Isso é verdade, disse Lucia. Eu aprendi que empatia faz parte também dos ensinamentos dos evangelhos: “Amarás o teu próximo com a ti mesmo [...]” (Gl 5,14b), ou, trate os outros como deseja ser tratado.

_ Eu entendo a empatia, disse Mila, como uma atitude de compreender os sentimentos e as preocupações do nosso próximo, aceitando a situação pela perspectiva dele, respeitando seus sentimentos. Como todas as virtudes, acho muito difícil colocá-la em prática.

        Pois é pessoal, como disse a Mila, todas as virtudes são difíceis de serem cumpridas, mas deve ser para cada um de nós mais um desafio a ser vencido.